quinta-feira, 6 de junho de 2013

Autopensamentos pastorais - em vista da proximidade do Dia do pastor


O pastor e bispo imprescindível

Na memória dos crentes das mais diversas denominações evangélicas sobrevive uma bela canção sobre o pastor: "Eram cem ovelhas...  o pastor deu falta de uma... a buscá-la (o pastor) foi ... encontrou-a... curou suas feridas... salvou-a".

De acordo com o texto de 1 Pedro 2.25, esse pastor é Cristo: "Porque éreis como ovelhas desgarradas; mas, agora, tendes voltado ao Pastor e Bispo da vossa alma." Infelizmente, a partir do cântico fora do seu contexto bíblico, e por comparação, aquilo que Deus Pai determinou para seu Filho Jesus Cristo passou a ser tarefa de um pastor humano. Nada mais desumano.

Um pastor humano não pode salvar ninguém, pois não é o Salvador do mundo. Um pastor humano não pode carregar o peso dos pecados humanos sobre seus ombros, sendo ele mesmo imperfeito. Um pastor humano não tem redil: cuida das ovelhas do grande Pastor (Hb 13.20), que é Cristo.

É notório, nas Escrituras, o desejo divino de que todas as ovelhas perdidas sejam resgatadas para viver sob os cuidados de um único pastor, como diz João 10.16: "Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor." Jesus Cristo é esse Pastor e Bispo imprescindível.

Em o Novo Testamento, os pastores humanos recebem varias designações. Tais epítetos oferecem pistas sobre o agir pastoral humano, diferenciando-o, evidentemente, do Sumo Pastor. Vejamos alguns deles, a seguir:

1) Presbíteros (anciãos - ideia de respeitabilidade social, experiência)
Por exemplo, em 1 Timóteo 5.17, as pistas são GOVERNAR, PREGAR, DOUTRINAR: "Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina."

2) Bispos (supervisores)
Por exemplo, em Atos 20.28, destaca-se a tarefa de "apascentar" o rebanho de outrem, no caso, de Cristo, incluindo-se: "Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue."

Desses homens de Deus, espera-se: "que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;" (1Tm 3.2); e "que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de Deus, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância” (Tito 1.7).

3) Os que conduzem (pela Palavra)
Em Hebreus 13.7,17, nossas Bíblias traduzem “guias”, erradamente.  Quem guia é Deus, por meio da Palavra que é pregada (confiram a observação de Cristo em Mateus 23.10). Pastores conduzem o povo por meio da exposição da Palavra de Deus, como conselheiros, educadores, orientadores, facilitadores.


Não sou imprescindível. Jesus é. Sou, pela graça de Deus, pastor, alguém que Ele escolheu para governar, ensinar, pregar, batizar, conduzir Seu rebanho. Sou grato a Deus por me permitir cuidar de Seu rebanho tão especial na região de Magé, a IBVJ. Permita-nos o Senhor viver os próximos anos obedientes à Sua Palavra e cada vez mais próximos.

2 comentários:

Adriano Rufino disse...

A grande tristeza é perceber que muitos pastores humanos, acham-se donos do rebanho. E, o pior: ideologizam o rebanho, de tal forma, que este o acham absolutamente necessário à existência da igreja.

Adriano Rufino disse...

A grande tristeza é perceber que muitos pastores humanos, acham-se donos do rebanho. E, o pior: ideologizam o rebanho, de tal forma, que este o acham absolutamente necessário à existência da igreja.